Salve uma Orquídea
Orquídeas

Salve uma Orquídea

Apesar de ser uma jardineira de apartamento mega empolgada, eu só comprei minha primeira orquídea recentemente e me apaixonei por ela, por isso esse será o primeiro de muitos posts que ainda devem vir, mas provavelmente será o mais importante e vou explicar porquê.

Orquídea Phalaenopsis

Quando comprei minhas primeiras mini phalaenopsis eu simplesmente retirei dos vasos de plástico colorido em que vieram e transplantei para vasos de plástico transparente, que são ideais para essa espécie. Eu não mexi no substrato original, apenas retirei como estava e acrescentei uma mistura de casca de pinus, carvão e musgo sphagnum, completando o espaço do vaso para acomodar a planta.

Passados alguns dias eu continuei pesquisando sobre orquídeas, continuei cuidando das minhas com carinho, mas algo não estava bem. Ela não murchou, não morreu, mas eu via as raízes, já que o vaso é transparente, e o aspecto não era bom, parecia que algo estava errado e como estava!

Por não ter experiência eu não sabia ainda o que era, mas resolvi retirar tudo do vaso e verificar. Fiquei preocupada porque achei que elas fossem sentir, ainda não sabia o quanto eram resistentes, mas quando vi o estado das raízes e a quantidade de musgo compactado que havia no meio delas fiquei arrasada e aliviada ao mesmo tempo. Ainda bem que as tirei dos vasos!

Retirei uma quantidade imensa de musgo e replantei as duas orquídeas. Agora que vi os ótimos resultados vou mostrar o vaso e substrato que usei e como fazer todo o processo detalhamente.

Vamos ao passo a passo, mas vale lembrar que essa é apenas uma forma de cuidar de uma orquídea que está debilitada e precisa de um processo de recuperação. É a forma que eu testei depois de muitas pesquisas e que foi mais adequada para meu espaço e minha forma de cultivo. Há outras alternativas, inclusive simplesmente colocar a planta em uma árvore e esperar a natureza agir. Talvez eu teste outras técnicas depois e venha mostrar os resultados, mas por hora é essa que estou usando.

Material

– Vaso de plástico transparente próprio para orquídeas. Se não tiver ou não encontrar para comprar pode usar qualquer pote de plástico que seja bem transparente ou o fundo de uma garrafa pet, mas desde que faça muitos furos de drenagem;

– Substrato próprio para orquídeas composto de casca de pinus e carvão. O pinus pode ser trocado por brita, especialmente se o vaso ficará apoiado em superfície plana e não numa treliça, já que a brita faz peso e evita que o vaso tombe. Também podem ser usados pinus, carvão e brita misturados. Só não recomendo adicionar o chips de côco porque tem uma tendência maior para dar fungos;

– Musgo sphagnum.

Como Fazer

Ao cultivar uma planta, seja ela qual for, o ideal é tentar reproduzir as condições naturais em que ela vive. Lógico que isso tem limitações (muitas limitações), especialmente quando o cultivo é em vasos, mas quanto mais próximo do natural melhor, a planta ficará mais confortável. Pensando nisso, a primeira providência que tomei ao comprar as orquídeas foi retirar as hastes de metal que seguravam as flores.

Haste de Metal em Orquídea Phalaenopsis
Haste de metal que segura o pendão da phalaenopsis

Claro que ficam lindas as flores naquele pendão enorme suspensas acima da planta, mas na natureza a orquídea vive levemente inclinada para baixo, basta observar as orquídeas em árvores, e os pendões florais ficam com a mesma inclinação da planta, então eu prefiro reproduzir essa condição. Retirar a haste não é obrigatório, mas é uma opção e foi o que fiz com todas as minhas phalaenopsis.

Depois de retirar a haste, ou não, tire a planta do vaso original e todo o substrato que veio com ele, limpando as raízes.

Orquídea Mini Phalaenopsis

Orquídea com Musgo
Ao retirar a orquídea do vasinho e limpar um pouco do substrato original encontrei essa situação

Se a sua planta estiver como a minha com muito musgo compactado retire tudo com cuidado e deixe as raízes livres, passando os dedos entre elas devagar, deixando-as bem soltas.

Observe o estado em que estão as raízes e corte as partes que estiverem muito apodrecidas ou completamente secas.

Raíz Apodrecida de uma Orquídea Phalaenopsis
Raíz completamente podre

Feita essa parte da limpeza coloque a planta no vaso acomodando as raízes. Sim, primeiro coloque a planta e depois o substrato. Com a primeira que plantei eu fiz o procedimento normal, primeiro um pouco de substrato e depois a planta, mas em uma das minhas pesquisas vi que o ideal era o contrário e realmente achei melhor.

Cabe aqui uma observação sobre o tamanho do vaso. Não vá pensando que orquídeas são como as outras plantas que adotam a filosofia quanto maior melhor, pelo contrário, o ideal é um vaso levemente maior. Sugiro um vaso que seja um dedo maior na largura e dois dedos maior na altura. Não que um vaso maior não possa ser utilizado, mas se for sua orquídea provavelmente demorará muito para florescer porque elas gostam de ocupar todo o espaço em que estão para emitirem nova floração.

Vaso de Plástico Transparente para Orquídea

Orquídea em Vaso de Plástico Transparente

Depois de colocar a orquídea bem acomodada no vaso, de preferência levemente inclinada para baixo, como já mencionei, vá completando com substrato o espaço restante.

Para as phalaenopsis uso os elementos que listei no começo do post todos na mesma quantidade, então é uma parte de casca de pinus, uma de carvão e uma de musgo sphagnum. Normalmente a mistura de casca de pinus e carvão é vendida já pronta, o que é ótimo, então basta acrescentar o musgo.

Ao colocar o substrato tome cuidado com as raízes, mas ao mesmo tempo ocupe todo o espaço entre elas.

Substrato para Orquídea

Orquídea Phalaenopsis
Orquídea levemente inclinada no vaso

Uma dica que acho importante, porque ajuda na observação, é tentar colocar uma parte das raízes bem próxima à lateral do vaso, de forma que mesmo após a colocação do substrato ela possa ser facilmente vista. Fazendo isso ficará mais fácil notar o crescimento ou os problemas.

Raízes de Orquídea
Raízes visíveis no vaso

Depois de completar todo o vaso faça uma última camada fina de musgo puro.

Orquídea com Musgo

Após o transplante e troca do substrato basta deixar sua orquídea em local com muita luz indireta,  claridade o dia todo, mas sem sol direto.

Vaso de Orquídea
Vasinho pronto

As phalaenopsis, e esse post é especificamente sobre elas, gostam de ambiente úmido e isso é diferente de umidade nas raízes então as regas devem ser feitas sempre que se perceber que o vaso está com todos os elementos secos. A referência deve ser o musgo que é o último a secar. Além disso o vaso transparente ajuda muito porque forma gotículas nas laterais e enquanto estiver com gotículas não regue.

É mais fácil matar uma orquídea por excesso do que por falta de água, então cuidado com as regas, mas não a deixe morrer de sede. Esse substrato é próprio para elas e já evita naturalmente o acúmulo de umidade, porém por isso mesmo não pode ficar seco por muito tempo. Equilíbrio é fundamental!

Ao regar tome o cuidado de não molhar o centro da planta, local de onde saem as folhas, porque o acúmulo de água ali levará ao apodrecimento. Um dos motivos para deixar planta levemente inclinada no vaso é justamente esse, então se você optou por deixá-la ereta tome muito cuidado, se optou por deixar tombada observe mesmo assim, mas dificilmente terá problemas.

Resultados

Minhas orquídeas foram adquiridas no começo de dezembro e eu fiz essa troca de substrato no dia 08/12/2016. Agora no final de janeiro, por volta de 45 dias depois, tirei fotos das raízes e é nítida a diferença. Muitas raízes novas, mais vivas, bem verdinhas e saudáveis.

Observem nas fotos que antes as raízes estavam com uma cor verde pálida, amarelando e já marrom em alguns pontos. Isso é sinal de excesso de umidade e apodrecimento. Raízes saudáveis são de cor verde bem viva, são brilhantes e rígidas como as que elas têm agora.

Recentemente resgatei outra mini phalaenopsis de flores branquinhas, linda! Mas das três que tenho essa é a que estava em pior situação e 15 dias depois da troca de substrato e transplante ela já apresentava sinais de melhora.

O título desse post não é “Salve uma Orquídea” por acaso. Se eu não tivesse feito esse processo elas provavelmente morreriam pelo estado em que estavam as raízes quando tirei o musgo ou viveriam mal e sofrendo. Muitas morrem ou são jogadas no lixo quase mortas por causa disso ou por outros motivos, mas todos associados à falta de conhecimento e erros no cultivo que podem ser facilmente resolvidos.

Para quem já tem uma phalaenopsis e nunca verificou o substrato e as raízes faça isso! Se necessário siga o passo a passo do post para replantar.

Para quem não tem e pensa em comprar leia esse post inteiro antes porque já volta pra casa com tudo que precisa para a operação de resgate.

Para quem nunca pensou em comprar uma phalaenopsis naqueles vasinhos fofos e assassinos considere a hipótese e se você achar uma orquídea jogada no lixo não a deixe lá mesmo que ela pareça morta.

Orquídeas são muito especiais e é compreensível que tenham tantos admiradores. Então se você puder resgate uma orquídea. Cuide dela com carinho!

Veja também o vídeo mostrando passo a passo como fazer o transplante das orquídeas e assine o canal do blog no Youtube.

15 respostas para “Salve uma Orquídea”

  1. Comprei uma mini Phal e ainda não a tirei do vaso original, apenas tirei o excesso de musgo que veio para completar o vaso. Estou morrendo de medo de mexer no substrato, pois começaram a sair novas raízes muito bonitas e saudáveis. O que faço? Devo trocar o substrato mesmo assim? Parabéns pelo post!

    1. Ruth se você tirou todo o musgo compactado não precisa mexer, mas se sobrou uma quantidade razoável tire sim e inspecione as raizes. Se no meio estiverem muito úmidas e apodrecendo é melhor tirar o restante do musgo e fazer uma mistura mais equilibrada e sem compactar. Se você tomar cuidado nesse processo isso não irá prejudicar as raizes, pelo contrario, nascerão mais. Mantenha as regas equilibradas e sua orquídea crescerá muito saudável. : )
      Abraços Floridos

  2. Oi Bruna,
    Que Deus te abençoe e obrigado por ser tão generosa em dividir conosco seus conhecimentos, e mais grandioso ainda esse seu gesto de esclarecer dúvidas.
    Te encontrei procurando ler sobre óleo de neem e me deparei com o seu Combo Super Top Plus Defensivos. Maravilhoso!! Também sou iniciante em cuidar de orqíideas e tenho duas Oncidiuns (chuva de ouro e twinkle). Minha dúvida é: se caso eu precisar eu poderia usar seu Combo nelas?

    1. Obrigada pelo carinho Rita! Pode usar sim Rita, só evite usar o fumo, muitas plantas são sensíveis a ele. Use apenas o neem, o sabao e acrescente álcool. Caso tenha dúvidas quanto ao alcool veja o post Turbinando Defensivos.
      Abraços Floridos

  3. Depois deste post tão cheio de amor e carinho vou cuidar de orquídeas tbm….Eu so tenho frutíferas…mas como elas eram as flores preferidas da minha mãe e com sua ajuda vou começar.bj e obrigada.

  4. Boa tarde bruna !
    Esse substrato que você mencionou no post também serve para a tal cattleya?
    Desde de já agradeço.
    Muito legal seu blog.

    1. Rodolfo comprei uma cattleya recentemente e bem debilitada, mas pra ela sugiro o uso da mistura de pinus e carvão pura, sem o musgo. O restante do processo é o mesmo, porem cattleyas tem uma particularidade de crescerem “caminhando” para frente. Você precisa plantar a parte de trás da Orquídea bem próxima à borda do vaso deixando espaço para frente para ela crescer. Assim que a minha se recuperar eu faço um post sobre ela e mostro tudo em detalhes. ; )
      Abraços Floridos

  5. Eu resgatei várias e pus na árvore. todas lindas e florescendo. Mas no vaso da varanda não é tão fácil de florir, leva tempo, mesmo cuidando, adubando, elas não gostam de vasos, preferem as árvores. Engraçado é que na árvore não adubo, não rego, não faço nada, mas elas gostam mais. E como gostam…….

  6. Estarei esperando ansiosamente que vc venha a se apaixonar pelas cattleyas, tenho dificuldades em replantar e na rega nunca sei qdo está faltando ou está demais. Obrigada pelas dicas.

    1. Sandra acabei de comprar uma justamente por causa do seu comentário. Fiquei com ele em mente e quando vi uma cattleya acabei comprando. Fiquei com pena da planta, está super judiada, mas vou tentar recuperá-la, aprender mais sobre elas e assim que tiver resultados positivos suficientes eu faço um post. ; )
      Abraços Floridos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *