Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
Orquídeas

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia

A epidendrum peperomia foi uma bela aquisição e a descobri por acaso. Eu procurava micro orquídeas e, pesquisando algumas opções, encontrei essa. Pouco tempo depois visitei um orquidário que a vendia e comprei uma.

Quando adquiri minha muda ela era bem jovem e, segundo informações do orquidário, ainda não havia florescido. Eu a comprei em dezembro de 2016, não sei precisar a data exata, mas ela floresceu pela primeira vez em 03 de fevereiro de 2018.

Esperei muito por essas flores e elas eram lindas como eu imaginava. Além de bonitas, as flores da epidendrum peperomia são exóticas e muito pequenas.

Considerando o bom crescimento que ela teve e a satisfação que demonstrou ao florescer, agora posso falar com segurança sobre como eu a cultivo.

Plantio

A epidendrum peperomia é uma orquídea epífita, portanto na natureza cresce fixada às árvores. A minha, quando a comprei, veio presa a um suporte de madeira bem bonito, imitando essa condição.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
Epidendrum peperomia no suporte de madeira quando chegou, bem verdinha

Eu a mantive nele por algum tempo, mas, pouco antes dela florescer pela primeira vez, a retirei e coloquei numa pequena árvore da minha varanda.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
A parte de trás do suporte onde as raízes se fixavam

Foi nítida a mudança no crescimento depois que ela foi fixada na árvore. Antes, quando ainda estava no suporte, ela já estava crescendo, porém mais lentamente. Na árvore ela teve um desenvolvimento muito melhor e mais rápido. Desde o começo criou muitas raízes novas e brotos bastante saudáveis.

Talvez seja possível o desenvolvimento dessa orquídea em vasos, já vi em fotos, mas eu sinceramente não tentei e ela nitidamente desenvolve-se muito bem em árvores, afinal é epífita, então é o que recomendo para o plantio dessa espécie.

Ao prender orquídeas em árvores uso sempre musgo sphagnum envolvendo as raízes. O musgo é bastante importante, já que ajuda a manter a umidade, especialmente no início, quando a planta pode sentir mais a mudança. Já experimentei colocar plantas sem sphagnum, apenas com as raízes direto no tronco e o resultado foi péssimo. Após acrescentar o musgo a mudança foi incrível.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia

Sugiro a leitura do post Orquídeas em Árvores, no qual mostro o processo que uso para amarrar as minhas.

Sol

Ela não deve ser cultivada no sol pleno de forma alguma. Apenas sol da manhã ou muita luz indireta é o ideal para a epidendrum peperomia. Sol forte demais irá queimar as folhas e a desidratação será muito rápida.

Inicialmente a minha muda ficava no suporte de madeira em local que tinha muito pouco sol da manhã. Depois a coloquei fixada na moringa oleifera, que já estava com um tronco mais desenvolvido. No início, assim que foi feita a mudança de local, ela sentiu um pouco, já que na árvore ela pegava mais sol da manhã e passou a precisar de mais regas, mas logo ela se adaptou.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
A muda assim que foi colocada na árvore ainda bem verdinha
Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
Algum tempo depois da mudança as folhas começaram a ficar levemente avermelhadas

Durante o período de adaptação as folhas dela já começaram a mudar de cor, ficando mais avermelhadas, diferentes de quando estavam no suporte em local com menor incidência de sol e as folhas eram bem verdes.

Rega

A epidendrum peperomia aprecia umidade, então, em regra, as regas são diárias, já que a minha orquídea fica fixada numa árvore e, apesar de ter um pouco de musgo sphagnum em volta das raízes, ele seca bem rápido com calor ou sol direto.

Nos dias muito frios, nos quais não tenha sol ou calor ao longo do dia todo, eu não rego. Caso dias assim ocorram um após o outro, eu rego a cada dois dias, ou dia sim dia não. Depende muito das condições climáticas e isso abrange vários fatores, então analiso todos os dias se preciso ou não regar.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
O musgo sphagnum, que ajuda a manter a umidade das raízes quando a planta está fixada na árvore

Para as plantas que ficam expostas ao tempo a incidência das chuvas também deve ser um fator a ser levado em consideração. Como no meu caso ela fica na varanda, protegida, mesmo que chova no fim da tarde, se ao longo do dia estava sol eu a rego pela manhã.

Adubo

Uso para essa orquídea os mesmos adubos que uso para as demais. Aplico uma vez por semana o leite diluído, borrifando as folhas e raízes. Além do leite uso também o adubo líquido diluído nas regas, uma vez por semana, jogando por cima das folhas, raízes e umedecendo o musgo.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia

Se a planta está florida eu evito a aplicação tanto do leite quanto do adubo líquido sobre as flores, mas continuo usando nas demais partes.

Mesmo nas orquídeas não uso nenhum tipo de adubo químico, apenas orgânicos.

Floração

A minha epidendrum peperomia floresceu pela primeira vez no começo de 2018, no dia 03 de fevereiro, pouco mais de um ano depois que eu a adquiri. Interessante que nas minhas pesquisas sobre ela via sempre a informação de que florescia entre outono e inverno, o que me leva a crer que a minha estava adiantada ou muito atrasada.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
O indício de que virá flor

Logo no início do crescimento é fácil confundir os botões com as próprias folhas da planta. Eu mesma demorei um certo tempo para perceber que a minha orquídea ia florescer e só notei os botões quando estavam bem desenvolvidos, quase no ponto de abertura.

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia
A pequena e delicada flor da epidendrum peperomia

Micro Orquídea Epidendrum Peperomia

As flores dessa espécie são bem diferenciadas e pequenas, chegando no máximo a 2,5 cm de diâmetro.

Essa micro orquídea, apesar de não ser uma espécie que se encontra com tanta facilidade, é uma ótima aquisição para quem gosta das minis e micros como eu e para quem tem pouco espaço.

2 respostas para “Micro Orquídea Epidendrum Peperomia”

  1. Oi minha amiga Bruninha das Pimentas,

    Lindo post. Descrições completas e detalhadas dos tratos culturais e ilustrações primorosas. Também recomendo, entre outras, a Isabelia pulchella (do sul e do sudeste, nomeada em homenagem à Princesa Isabel) e a Barbosella australlis (nativa de São Paulo) que por não serem muito exigentes são ótimas para principiantes. A Isabelia prefere um friozinho aí desses de São Paulo. Também lembro que o uso do EM (do qual já lhe falei) é super bem-vindo pelas orquídeas. O Sphagnum pode ser substituído, em nome da sustentabilidade, por esponjas de fibra de coco bem curtido. Parabéns pelo post belíssimo e um grande abraço.

    1. Sempre agregando Yucatan! : ) Adorei as sugestões, especialmente a Isabelia, que linda! Vou procurar por ambas, obrigada pelas dicas. Quanto ao EM já fiz desde que você me falou pela primeira vez, mas confesso que acabo esquecendo de usar, rs. Preciso manter uma regularidade para observar bem os resultados.
      Beijos Floridos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *