Orquídeas Phalaenopsis
Orquídeas

Orquídeas Phalaenopsis

Desde que comecei a resgatar phalaenopsis, também conhecida como orquídea borboleta, me apaixonei perdidamente por elas e me esforcei para recuperá-las, tentar entendê-las e dar a elas as melhores condições de cultivo.

Orquídea Phalaenopsis

Inicialmente os resultados da minha dedicação foram evidentes. Em todas as plantas que resgatei havia muitas raízes crescendo saudáveis e folhas novas, mas as flores seriam a prova definitiva de que o cultivo ia bem e finalmente elas vieram. Então agora posso falar com mais propriedade sobre como cultivo minhas phalaenopsis e o que pode ajudar outras pessoas que, como eu, tiveram dúvidas no início.

Vaso

Eu uso, e é o que sugiro, vasos de plástico transparente. Se você comprou uma mini phalaenopsis em vasos de cerâmica coloridos e fofinhos será necessário fazer o transplante ou no mínimo uma troca completa ou quase completa de substrato, mais adiante no post explico porquê.

Orquídea Phalaenopsis

Orquídea Phalaenopsis

É bom que sejam de plástico porque esse material retém mais umidade e phalaenopsis apreciam umidade, sem exageros, claro.

O ideal é que sejam transparentes, porque essas orquídeas fazem fotossíntese pela raiz. Além disso a transparência permite ver o substrato, o que auxilia nas regas. Ficam visíveis também as pequenas bolhas de água que se formam na parte interna do vaso, indicando que a umidade ainda está alta.

Caso não sejam usados vasos de plástico transparente, os de barro, específicos para orquídeas com vários furos laterais, são uma boa opção, porque as raízes podem sair e fazer fotossíntese.

Apesar dos vasos de barro serem uma boa opção, ainda prefiro os de plástico, porque o barro absorve muita umidade e será necessário tomar um cuidado maior com as regas e usar mais elementos que retêm umidade na composição do substrato como o musgo sphagnum, por exemplo.

Raízes de Orquídea

Outra questão relevante sobre o vaso é que ele não deve ser muito maior do que a planta. O ideal é que seja por volta de dois dedos maior na altura e um dedo maior na largura.

A recomendação de um vaso não muito maior do que o porte da planta justifica-se pela forma como as phalaenopsis vivem na natureza. Elas ficam fixadas nas árvores, por isso criam raízes ao redor do tronco ficando muito bem presas. Só quando estão bem fixadas elas florescem, caso contrário o peso da haste floral e das flores ia derrubar a planta. No vaso, apesar de não ser o habitat natural, segue-se o mesmo princípio. Para que uma orquídea floresça ela deve se sentir bem fixada e estável no vaso, como se sentiria na natureza, por isso vasos grandes demais não são adequados. Até a planta ocupar todo o vaso e ficar estável levará muito mais tempo.

Há controvérsias sobre essa questão do tamanho do vaso, mas eu acredito que faça todo sentido e aplico no meu cultivo.

Uma observação importante é que o que serve de parâmetro para o tamanho do vaso é o volume de raízes da planta e não de folhas. Por isso se houver troca de vaso coloque em um no qual as raízes ocupem todo o espaço, sem aperto, mas sem muita folga.

Substrato

Eu uso para as minhas orquídeas uma mistura de casca de pinus e carvão, que já compro pronta, e acrescento musgo sphagnum, todos em partes iguais.

Há várias alternativas de substrato para orquídeas e os elementos que podem ser usados são bem variados como casca de pinus, carvão, fibra de côco, isopor, brita, etc.

Eu gosto muito dessa mistura que mencionei e que uso, mas pode-se optar por adicionar ou substituir um dos elementos do substrato, levando também em consideração o material do vaso que será usado, especialmente se for um vaso que ficará apoiado em alguma superfície e não suspenso numa treliça como é o caso dos meus.

Orquídea Phalaenopsis

Se o vaso for de barro do tipo específico para orquídeas pode-se usar isopor no fundo ou misturado às cascas de pinus, carvão e musgo, apesar dessa mistura já ser bem leve. Mas é importante ter em mente que esses elementos que mencionei, sendo todos em partes iguais, não seriam ideais para um vaso de barro que absorve muita umidade, o ideal seria aumentar bastante a quantidade de musgo.

Porém, no caso de um vaso de plástico, que ficará apoiado em alguma superfície e não suspenso numa treliça, deve-se usar brita no fundo para dar sustentação e evitar que o vaso tombe com facilidade, já que o material em si é muito leve e a mistura de substrato também.

Plantio

Para saber como plantar ou transplantar uma phalaenopsis sugiro ver o post Salve uma Orquídea e o vídeo que acompanha o post, que mostram o processo de troca do substrato e vaso de uma das minhas mini orquídeas.

Especialmente para quem adquiriu ou pensa em adquirir mini phalaenopsis em vasinhos de cerâmica coloridos e fofos é de extrema importância ver esse post e o vídeo, porque esses vasos escondem plantas que estão sofrendo.

Como foi mostrado no vídeo, sugiro primeiro posicionar a planta e depois completar o vaso com o substrato, assim a sustentação será melhor e a planta ficará mais firme.

Eu sou a favor de tentar chegar o mais próximo possível das condições que a planta teria na natureza e com orquídeas descobri que isso é muito importante.

Pesquisei muito sobre as phalaenopsis quando decidi adquirir uma. Fiz testes, observei e posso dizer que o que coloquei em prática deu certo. Por isso sugiro que a haste de metal que segura o pendão floral seja retirada, afinal na natureza as orquídeas phalaenopsis, que são epífitas, vivem em árvores e ficam com o pendão floral livre e levemente inclinado para baixo. Foi dessa forma que mantive as minhas, aliás com as folhas também levemente inclinadas para baixo, permitindo que a água passe pelo miolo da planta e escoe sem formar uma poça no meio, o que pode levar ao apodrecimento.

Se não for o primeiro plantio e caso tudo já tenha sido feito da forma adequada, o ideal é trocar o substrato no máximo a cada 2 anos, então recomendo que seja colocada uma placa com a data da troca ou plantio para saber quando será necessário fazer esse processo novamente.

Rega

As phalaenopsis gostam de umidade, mas isso quer dizer que gostam do ambiente úmido e não raízes e substrato constantemente úmidos, pelo contrario, isso é muito prejudicial para a planta.

Todo o substrato deve secar entre regas, então nenhum dos elementos que o compõe deve permanecer úmido por períodos prolongados. Sugiro avaliar a necessidade de regas pelo musgo que é o elemento que retêm mais umidade, sendo portanto o último a secar. Enquanto o musgo estiver úmido não regue. Quanto ao musgo não é o da superfície, esse seca bem rápido, e sim o do fundo. Claro que isso vale para o vaso de plástico transparente no qual é possível enxergar todo o substrato e permite ver principalmente do meio para baixo do vaso onde a concentração de umidade é maior após a rega.

Eu sou do tipo que rega demais, vai do coração de cada um, então pra mim esse tipo de vaso é o ideal pra controlar minha personalidade excessivamente zelosa.

Orquídea Phalaenopsis
Folha apresentando sinais de desidratação

Vale também observar as bolhas que se formam no vaso, indicando que a umidade ainda está presente e portanto não é necessário regar.

Apesar dessa preocupação com a rega excessiva, também não se deve deixar secar demais ou as folhas ficarão enrugadas e desidratadas e a planta sofre. Depois que elas desidratam levam algum tempo para se recuperar. Não pense que como outras plantas você vai regar e depois de algumas horas as folhas estarão plenamente hidratadas. Orquídeas precisam de mais tempo para se recuperar, então equilíbrio nas regas é fundamental!

Como esse substrato que indico já é de alta drenagem deve-se observar atentamente a planta especialmente em dias quentes. Prefiro e recomendo regas mais frequentes em pequenas quantidades do que esperar mais para regar e usar uma grande quantidade de água.

Ao regar deve-se tomar muito cuidado para não molhar o miolo da planta. Quando sugiro deixar a planta como ela é encontrada em árvores, pendente e levemente inclinada para baixo, também é uma forma de evitar que mesmo que caia água no miolo ela não fique acumulada. A natureza é sábia e com a planta inclinada a água escoa quando chove sem que se formem poças e apodreça o miolo da planta. Então sugiro o mesmo, mas ainda evitando molhar essa parte.

Orquídea Phalaenopsis

Também não recomendo que as flores sejam molhadas. Deve-se regar apenas o substrato e em dias quentes e/ou secos borrifar ou jogar com o próprio regador um pouco de água nas folhas e raízes expostas que crescem para fora do vaso.

Eu procuro usar água descansada para a rega das orquídeas. Não é uma regra, nem necessário, mas prefiro assim e acho que faz bem para elas. O procedimento é simples, apenas deixo a água descansando no regador pelo menos 24 hs antes de usar. O ideal são 48 hs, mas 24 hs já são suficientes. Porém, que fique claro que se as plantas precisam de água não há necessidade alguma de deixar descansando e esperar mais 24 hs para regar. Regue com água direto da torneira mesmo. Mas fica a sugestão para após as regas encher o regador e guardar com água, assim na próxima rega a água estará descansada quando for usada.

Outra observação válida é que não há regra para as regas. Como toda planta deve-se analisar as necessidades dela, considerando as condições de cultivo (tipo de vaso, substrato, incidência de sol, etc) e o clima (sol, vento, umidade, etc) dia após dia.

Sol

As referências são confusas, eu pelo menos achei. Até encontrei alguns bons blogs e sites, mas as informações às vezes são contraditórias, então resta fazer o processo mais fundamental, testar e observar. Foi o que fiz. Coloquei todas as minhas orquídeas numa treliça em um local da varanda que pega sol da manhã apenas nas primeiras horas do dia. Apesar de ser pouco é sol direto e suficiente para elas na medida para fazer bem e não causar danos ou queimaduras nas folhas e flores. Minhas orquídeas desde o início deram sinais de satisfação, estão lindas e florescendo, então no meu caso essa fórmula deu certo.

Orquídea Phalaenopsis

Dei sorte de ter um local com essa incidência de sol. Para quem não tem o teste vai depender da localidade. Para quem mora em locais de sol quente sugiro o teste primeiro com muita luz indireta sem sol direto. Para quem mora em local de clima mais ameno sugiro teste no sol da manhã com mais ou menos horas, mas apenas sol da manhã.

Há também a possibilidade de ajustar a incidência de sol usando sombrite, mas tudo vai começar com testes e observação atenta das plantas e providências ao menor sinal de dano, que seriam folhas com manchas amarelas ou marrons e folhas e flores murchando.

Antes de se desesperar com qualquer mancha nas folhas ou flores murchas é importante ter em mente que esses podem ser sintomas de troca de substrato ou ambiente. Por isso é importante ter cautela ao escolher um local para as orquídeas, já que elas ficam mesmo mais sensíveis e podem estranhar um local novo.

Adubo

Orquídeas não me dão trabalho no que diz respeito a adubo, já que não uso nada misturado ao substrato. O que faço para nutrir minhas phalaenopsis é usar leite e adubo líquido borrifando as folhas, raízes expostas e superfície do substrato uma vez por semana. Não borrifo as flores e tomo o cuidado de não borrifar próximo ao miolo da planta como já mencionei. Água no miolo das orquídeas jamais, mas caso aconteça basta segurar o substrato, que pode cair, e inclinar um pouco a planta para deixar escorrer.

Orquídea Phalaenopsis

Além dos adubos foliares há também o bokashi, que é muito conhecido e utilizado para orquídeas, e normalmente é colocado em saquinhos ou porta adubos por cima do substrato, sendo que todas as regas são feitas por cima dele para liberar aos poucos os nutrientes. Quando o conteúdo do saquinho ou porta adubos acabar basta repor.

Há também a opção do adubo químico de manutenção 20-20-20, que meu irmão que é orquidófilo usa e gosta bastante. Nesse caso deve-se seguir as instruções da embalagem e na dúvida usar sempre menos do que o indicado, nunca se deve usar mais.

Eu opto por usar adubos líquidos e orgânicos por ser a forma mais prática para o meu cultivo, mas vai de cada um definir qual o melhor adubo e como aplicar.

Floração

Como já mencionei anteriormente as raízes das phalaenopsis precisam ocupar todo o vaso para a planta florescer. Posso dizer inclusive que notei que as minhas plantas quando começaram a florescer estavam literalmente presas aos vasos, as raízes aderiram ao plástico. Então recomendo dar atenção às considerações que fiz sobre o tamanho do vaso e plantio.

A floração das phalaenopsis pode durar até 3 meses, caso corra tudo bem e todas as condições estejam favoráveis, mas esse tempo pode ser reduzido por motivos como tempo seco demais e falta de umidade, falta de regas, pragas, etc.

Durante a floração não recomendo fazer transplantes, troca de substrato ou troca de local. Qualquer mudança só deve ser feita se realmente houver necessidade, como quando compro minhas mini phalaenopsis e elas estão com as raízes podres ou no caso da planta apresentar sintomas de queima nas folhas por causa do sol, etc.

Depois da floração, quando todas as flores caem, muitos cortam a haste floral rente à base. Com as minhas plantas eu só faço isso se as hastes estiverem bem secas, enquanto elas estão verdes e saudáveis eu mantenho porque é muito comum por aqui ocorrer uma nova floração na mesma haste.

Orquídea Phalaenopsis
Floração na haste antiga
Orquídea Phalaenopsis
Mais uma orquídea emitindo nova floração na haste antiga

Há casos nos quais eu corto a haste para colocá-la na água e tentar obter a formação de keikes, mas esse é um outro assunto e certamente vai render um post bem detalhado depois.

Pragas

Felizmente desde que chegaram minhas orquídeas não tiveram nenhuma praga, porém recomendo atenção especial com cochonilhas, que se escondem por baixo das folhas e na base da planta, e com fungos, que vão deixar as folhas amarelas, com partes marrons ou cor de ferrugem ou com pontos brancos.

Orquídea Phalaenopsis

Como já mencionei ao falar sobre adubos para as orquídeas, eu borrifo leite diluído uma vez por semana e isso certamente previne fungos, afinal o leite é o tratamento que uso para plantas que apresentam esse problema.

Como eu nunca tive fungos nas minhas orquídeas não tenho como exemplificar, então caso os leitores tenham boas fotos de orquídeas com fungos me enviem por e-mail, [email protected], e publico aqui no post para ajudar outras pessoas a identificarem fungos em suas plantas.

Paciência

Se tem algo que qualquer jardineiro, seja amador ou profissional, eventualmente vai aprender com a natureza é que tudo tem seu tempo e cultivar orquídeas pode ser um verdadeiro teste de paciência. No meu caso o teste durou até a primeira phalaenopsis florir novamente. Isso foi o indicativo evidente de que eu estava no caminho certo.

Ter a floração como indicador do nível de felicidade da planta vai servir para quase qualquer situação, seja uma orquídea comprada recentemente, resgatada do lixo, daquela amiga ou parente que não faz idéia de como lidar com a planta e sequer parece tratá-la como se fosse um ser vivo, ou mesmo se é uma planta que já era cultivada, mas não estava nas melhores condições.

Orquídeas Phalaenopsis
Minha treliça composta em sua maior parte por orquídeas phalaenopsis

Claro que não só a floração é referência. Avaliar o estado das folhas e das raízes também é fundamental para determinar a saúde da planta. Lendo o post Salve uma Orquídea e vendo as fotos é possível perceber nitidamente que só hastes cheias de flores não dizem tanto assim, o vaso pode estar escondendo raízes podres e uma planta que na verdade parece linda, mas está sofrendo.

Se o crescimento, floração e formação de novas folhas das phalaenopsis exigem paciência, os sintomas de desgosto costumam vir bem rápido e a recuperação, assim como o desenvolvimento, pode demorar. Os sintomas de infelicidade são bem óbvios, a planta apresenta danos imediatos, não emite raízes, perde folhas, desidrata, etc.

Ainda que possa ser um exercício de paciência considerável, recomendo demais o cultivo de orquídeas. Eu posso dizer que criei mais um vício (como se já não tivesse vícios suficientes) e que tive uma afinidade especial com as phalaenopsis, apesar de já ter tido outras espécies. Elas são especiais e cultivá-las é apaixonante!

18 respostas para “Orquídeas Phalaenopsis”

  1. Oi meu amor, quanto tempo, hein?! Comprei minha mini phalaenopsis ontem … Estou mega feliz. Estou lendo tudo que posso sobre elas, pois apesar de ter muitas plantas, nunca consigo manter vida minhas orquideas. Será um desafio!

    Beijocas

    1. Andreia o post deve te ajudar, tem também um post chamado Salve uma Orquídea, que fala sobre elas. Eu também nunca tive sorte com elas, mas depois de usar as dicas que passo no posts deu super certo. Qualquer dúvida estou aqui à disposição para ajudar : )
      Beijos Floridos

    1. Vanessa não existe um tempo exato, pode demorar muito meses ou ser um processo um pouco mais rápido, depende do cultivo, da época do ano, das condições da planta, etc.
      Abraços Floridos

    1. Letícia retire do vaso e limpe as raizes replantando em um substrato novo. Veja o post Salve uma Orquídea, vai te ajudar.
      Abraços Floridos

  2. Muito explicada, adorei, tirei algumas dividas, só que em vez do leite eu uso canela nas minhas em pouca quantidade, elas também ficam com um bom resultado, obrigada

  3. Ganhei uma Phal linda e florida, folhas e raízes perfeitas, com duas hastes florais, no entanto uma haste curvou e se desenvolveu dentro do vaso transparente . O que faco, espera acabar a floração para cortar ou deixo assim como está? É de dar dó, os botões dentro sem poder florescer.

    1. Mirtes você não consegue tirar o substrato com cuidado e liberar a haste? É muito estranho ter crescido para dentro porque elas se formam para cima.
      Abraços Floridos

  4. Oi Bruna, estou com uma dúvida, pode me ajudar?
    Meu apartamento infelizmente não pega o sol da manhã (só na lavanderia que é um espaço bem pequenininho), somente o sol da tarde mesmo. Isso é um problema?
    Minhas orquídea phalaenopsis fica na varanda, que é totalmente fechada com vidro. Pegar sol por meio do vidro é um problema? E refente ao vento, elas são resistentes?

    Estou me esforçando para conseguir a primeira floração nova da minha phalaenopsis.
    Abraço.

    1. Júlia depende de onde você mora, mas em geral o sol da tarde é forte para elas. Se pega sol por trás do vidro não tem tanto problema, dependendo da incidência de sol, porque o vidro filtra a luz solar deixando bem mais amena. Quanto ao vento não recomendo. As folhas aguentam bem, mas as flores nem tanto. Você vai perceber se o sol está excessivo pelas folhas que começam a apresentar queimaduras. Se for o caso já troque de local, senão mantenha onde estão, mas uma boa adubação é muito importante para que ela dê flores.
      Abraços Floridos

      1. Olá eu queria saber como fazer quando caiem as flores todas? O caule começa a ficar amarelo não sei se devo cortar rente ao caule ou se tenho que cortar por algum sítio específico . preciso de ajuda estou farta de ter orquídeas que não florescem mais depois -obrigado

      2. Luísa é difícil dizer sem ver imagens dela, mas pode ter sido muita rega e as raízes apodreceram. Veja o post Salve uma Orquídea e siga os passos de lá, observe se ela está em local e substrato adequados e recebendo regas sem exageros. Phalaenopsis são orquídeas que florescem várias vezes ao ano. Siga as instruções desse post e do outro que mencionei e elas vão prosperar. Qualquer dúvida estarei à disposição e desculpe a demora para responder.
        Abraços Floridos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *