Dionaea Muscipula
Carnívoras

Dionaea Muscipula

A carnívora mais comum e mais conhecida. Normalmente é com a dionaea que o amor por essas plantas começa e comigo não foi diferente.

Elas são plantas fáceis de manter, mas muitas vezes vítimas da falta de conhecimento. Em alguns casos são jogadas fora por acharem que a planta morreu quando elas entram em dormência. Em outros morrem de fato por estarem em substrato inadequado e não serem transplantadas. Para evitar que esses equívocos ocorram vou abordar nesse post tudo que eu sei sobre as dionaeas.

Dionaea Muscipula

Apesar de já ter um Catálogo de Carnívoras no blog, a dionaea merece um post só pra ela por sua popularidade e por ser a porta de entrada para o mundo das carnívoras.

Variedades

A maioria das pessoas conhece a dionaea tradicional, mas há muitas outras variedades e as diferenças são significativas seja na cor, no formato dos “dentes” das armadilhas, no tamanho da planta, etc.

Têm algumas variedades que são realmente objetos de desejo pra mim, como a red burgundy, red dragon e big mouth. Por enquanto estou só desejando e não pretendo comprar essas plantas, apesar delas não serem tão difíceis de serem adquiridas.

Vou deixar aqui alguns links que trazem variedades de dionaea. O Flytrap Care é um site muito bom e traz fotos de algumas variedades mais conhecidas, já o site Carnivorousplants.org é bem completo e tem fotos, apesar de ser mais trabalhoso clicar em cada link para ver as imagens.

Antes de sair por aí querendo todas as lindas dionaeas que se pode comprar, controle-se e aprenda a cuidar da comum, que já é linda, porque plantas exóticas são caras e tendem a ser mais sensíveis.

Substrato

Assim que comprar uma dionaea verifique o substrato, que deve conter musgo sphagnum, areia ou outros componentes apropriados para carnívoras. Se o vaso contiver terra ou turfa o substrato deve ser trocado. Isso é muito importante, caso contrário há um sério risco de perder a planta a médio ou longo prazo.

Já foi publicado aqui no blog um post bem detalhado sobre o processo de troca do substrato. O ideal é que a troca seja feita o quanto antes para evitar danos à planta.

Dionaea em Musgo Sphagnum

Eu uso para todas as minhas carnívoras uma mistura de areia e musgo sphagnum como substrato. A proporção varia, mas tenho usado os dois em partes iguais ou 70% musgo e 30% areia e elas se desenvolvem muito bem.

Sol

As dionaeas precisam de muito sol para ficarem saudáveis e bonitas. O ideal é que fiquem expostas ao sol pleno, mas sempre mantendo o substrato encharcado.

Apesar das dionaeas adorarem sol deve-se tomar cuidado quando as plantas são recém chegadas pois podem sentir muito o sol forte e ficar queimadas se não estiverem acostumadas. Observe e a qualquer sinal de folhas queimadas reduza o sol, mas evite mudar muitas vezes a planta de lugar, elas não gostam de trocas constantes de ambiente.

Essas plantas dão sinais bem claros quando não estão recebendo sol suficiente. As folhas ficam estioladas, mais compridas do que o normal, as armadilhas perdem a coloração avermelhada do seu interior, o crescimento das armadilhas é lento e elas ficam menores e a planta como um todo começa a ficar mais clara e perder o brilho.

Umas das minhas dionaeas ficou nessa situação e depois da mudança para o sol pleno a diferença era nítida, mesmo quando a planta estava entrando em período de dormência.

Caso a planta apresente sinais de falta de sol basta aumentar o período e aos poucos os resultados virão e a planta estará saudável novamente. Pode levar alguns meses até que ocorra uma transformação adequada dependendo do estado em que a planta se encontrava.

Rega

A rega da dionaea segue a regra geral das carnívoras, manter o substrato sempre encharcado e usar água descansada.

Quanto à água descansada basta encher um regador ou outro recipiente que vá armazenar a água e deixar descansar pelo menos 48 horas antes de usar nas plantas.

Quanto à manter o substrato encharcado basta usar um recipiente com água embaixo, tomando muito cuidado com larvas de mosquito. Pratinhos de vasos não são suficientes. A água precisa estar em nível mais alto, então o ideal é encaixar o vaso em outro recipiente, que além de fornecer mais umidade vai reduzir a preocupação em repor a água e demanda menos tempo e trabalho.

Já mostrei no post Carnívoras um dos recipientes que montei e depois fiz outro post só com idéias de vasos anti-mosquito para plantas que têm grande necessidade de umidade no substrato, entre elas as carnívoras.

Vaso Anti-Mosquito

Além do recipiente embaixo do vaso ser importante para manter o substrato encharcado, ele também permite que a água seja reposta ao invés da rega ser feita por cima do substrato e próxima à planta. Com nenhuma carnívora é adequado fazer isso por uma série de motivos e especialmente com as dionaeas, porque caso a água encoste nos pêlos sensíveis que estão no interior das armadilhas elas vão fechar vazias e isso é prejudicial para a planta.

Não há necessidade de deixar o substrato com poças na superfície, apenas encha o recipiente até deixar o substrato bem úmido e ele deve ser mantido dessa forma.

Alimentação

As dionaeas não precisam ser alimentadas, nem elas, nem nenhuma outra carnívora. Essas plantas vivem bem e se desenvolvem mesmo sem se alimentar, afinal fazem fotossíntese como qualquer outra.

Além de não ser necessário alimentá-las controle-se para não tentar oferecer à planta seu dedo pra ela comer ou qualquer outra coisa e, se possível, evite que filhos, sobrinhos e afins o façam. Cada armadilha funciona de 3 a 5 vezes antes de morrer e o fato de fecharam vazias prejudica a planta e como os pêlos internos são muito sensíveis qualquer mínimo estímulo pode desencadear esse processo.

Armadilha da Dionaea Muscipula

Os insetos são atraídos por uma substância que fica no interior das armadilhas e a velocidade de fechamento delas quando os pêlos sensíveis são acionados é incrível, cerca de 0,3 segundos apenas. Há muitos vídeos que mostram as dionaeas se alimentando e o melhor que já vi é esse abaixo, produzido pela BBC e chamado de Jaws of Death (Mandíbulas da Morte). Dá muita agonia e pena observar os insetos sendo capturados, pelo menos para mim, mas o vídeo é realmente muito bom.

Reprodução

As dionaeas podem ser reproduzidas através de sementes, das folhas e por divisão do rizoma. Eu adoro plantar sementes, o blog não me deixa negar, e é claro que foi esse o primeiro método que testei.

Eu comprei minhas sementes mesmo já tendo plantas adultas, mas as dionaeas florescem uma vez por ano, se tudo estiver bem, e não é difícil conseguir sementes já que as flores são hermafroditas, no entanto vale a pena ajudar a natureza e polinizar manualmente.

O processo de polinização das dionaeas é semelhante a outros que já mostrei aqui no blog, basta espalhar o pólen das anteras no estigma.

Polinização da Dionaea Muscipula

Se for possível faça isso mais de uma vez ao dia, mas só sugiro iniciar esse processo no dia seguinte à abertura da flor. Pesquisando eu descobri que as flores só estão receptivas ao pólen 1 dia ou 1 dia e meio depois que abrem, portanto não adianta ir polinizando tudo enlouquecidamente. O ideal é aguardar o dia seguinte à abertura da flor para polinizar, usando inclusive o pólen de uma flor em outra.

Demora bastante até que as flores sequem e as cápsulas de sementes estejam prontas, mas quando estiverem basta recolher e plantar.  Quanto mais frescas as sementes melhor. Não armazene por muito tempo porque elas perdem a capacidade de germinação.

Cápsulas de Sementes da Dionaea Muscipula

Para saber como plantar as sementes de dionaea sugiro a leitura do post Sementes de Drosera. Fiz o plantio dessa forma e não fiz nenhum processo de estratificação, mas as sementes podem ser deixadas de molho na água descansada por 24 horas, isso ajuda na germinação e é possível fazer com sementes de dionaea, que são grandes se comparadas a outras carnívoras.

As sementes de dionaea não são tão fáceis de germinar, podem até germinar rápido se forem bem frescas, mas podem demorar muito a dar sinais de vida se não forem e por isso exigem bastante paciência.

Não sugiro para iniciantes o cultivo dessa variedade a partir de sementes. Há outras variedade que podem ser inicadas dessa forma e que são de mais fácil cultivo como as droseras capensis e venusta, byblis e etc, mas se decidir germinar dionaeas tenha paciência. Além da demora na germinação elas podem levar de 2 a 4 anos para se tornarem plantas adultas. O crescimento dessa variedade realmente é muito lento.

Minhas sementes não demoraram tanto assim para germinar e tiveram uma ótima taxa de germinação. Elas germinaram em 34 dias, mas podem demorar muito mais. Agora com 115 dias estão mais crescidas, é possível visualizar as mini armadilhas super fofas, mas estão longe de parecerem uma planta adulta.

Mudas de Dionaea Muscipula
Muda de dionaea com 115 dias

O crescimento das mudas é muito lento, mas é incrível observar o desenvolvimento das “boquinhas” desde que as mudas são pequenas, bem pequenas. Depois farei um post mais completo com todo o crescimento das minhas dionaeas. Em alguns anos talvez …

Ainda vou testar também a reprodução por folhas, leaf cutting, mas isso ficará para outro post bem completo sobre o assunto e coloco aqui o link quando estiver pronto.

Dormência

As dionaeas são plantas perenes e de crescimento lento, que florescem normalmente uma vez por ano e entram em dormência nos meses mais frios, dependendo da região.

Eu tenho duas plantas e a que floresceu começou a entrar em dormência antes da outra que ainda não deu flores e os sintomas da dormência dela foram mais severos.

Há quem corte as hastes florais, mas eu não fiz isso nem pretendo fazer e minhas dionaeas se recuperaram da dormência normalmente. Sendo que a que floresceu ainda ressurgiu da dormência com mais duas hastes florais.

Há quem alegue que o processo de floração retira muita energia da planta, e isso está correto, mas ainda que as dionaeas entrem em dormência, não vejo necessidade de cortar a haste floral, já que a dormência assim como o florescimento são processos naturais. Além disso eu aprecio muito observar o ciclo natural da planta, a expectativa pela abertura das flores, a polinização e finalmente a colheita das sementes. Mas há quem prefira cortar as hastes e isso fica a critério de cada um.

Perceber os sintomas da dormência é bem simples. A planta tem uma diminuição significativa no crescimento, aquele que já era lento. As folhas mais velhas começam a morrer, ficando pretas mais rapidamente, mesmo que as armadilhas não tenham sido utilizadas.

Dormência da Dionaea Muscipula

Durante o período de dormência o ritmo com que as folhas morrem é bem maior do que o ritmo com que brotam. Aos poucos toda a planta, ou quase toda, fica com aspecto de seca, parecendo morta. Nesse período cuide delas normalmente, mantendo o nível da água. Eventualmente ela voltará do estado dormente e brotará com vigor.

Para quem mora em locais com temperaturas altas durante todo o ano há a opção de induzir a dormência, mas existe um modo correto de se fazer isso, que eu não coloquei em prática porque as minhas entraram e saíram da dormência naturalmente.

Prefiro não me atrever a falar sobre algo que não fiz e desconheço, então conversando com a Fátima, querida leitora do blog, perguntei se ela poderia explicar como fez a dormência das dionaeas e ela gentilmente escreveu sobre todo o processo para que eu pudesse publicar no blog. A explicação dela ficou ótima e bem completa.

“De todos os que estudei, achei o de guardar na geladeira com o vaso e tudo mais simples.

No primeiro ano o vaso era pequeno então deixei o vaso escorrendo por um dia e uma noite e na manhã seguinte coloquei uma metade de garrafa pet sobre o vaso (o encaixe foi perfeito) e deixei na geladeira por 2 meses e meio, ou seja, 10 semanas. Nesse intervalo de tempo, uma vez por semana, eu retirava minha dio da geladeira e checava se não tinha nenhum tipo de bolor, se havia armadilhas pretas, etc. Se tivesse qualquer armadilha com o menor sinal de bolor eu cortava a folha. Fazia isso tudo muito rápido pra não deixar a temperatura subir e a devolvia à geladeira.

No final das 10 semanas eu as retirava da geladeira à noite e deixava no quintal. Na manhã seguinte trocava o substrato, o vaso e as colocava de volta à rotina de cuidados normais.

Em 2014 fiz um pouco diferente porque eu já tinha algumas outras mudas de dio (mais vasos)… Então escorri os vasos, como na primeira vez, e coloquei os vasos dentro de um pote grande de tupperware, mas não tampei, deixei a tampa apenas encaixada sobre o pote, só pra evitar que alguma verdura, fruta ou legumes despencasse sobre as dios…. E lá elas ficaram um pouco mais (de início de junho a final de agosto). São essas as fotos que eu tenho e que seguem em anexo…

dionaea_dormencia_00

Acho que esqueci de dizer lá em cima que antes de pôr na geladeira eu retiro todas as folhas pretas…

No primeiro ano que induzi o processo de dormência elas foram pra geladeira quando começaram a desacelerar o metabolismo e é esse o gatilho (quando desaceleram). E aí em 2015 eu não fiz e elas desacelaram e não tiveram forças pra voltar… 

Eu acredito que eu tenha errado, porque desde que adquiri a primeira dio ela foi pra geladeira em todo inverno. Tava enoooorme, linda mesmo… Daí tinha muita gente aqui em sampa que não colocava, dizia que não precisava, etc, etc… e aí eu resolvi não pôr… Elas realmente demonstraram sinais de dormencia, mas não tiveram forças pra retornar… até retornaram, mas visivelmente mais fracas. Daí não sei dizer se pelo fato delas já estarem acostumadas (foram 3 invernos seguidos indo pra geladeira) isso tenha causado um stress a mais, ou se foi uma coincidência…

Então eu acredito que se você coloca na geladeira sempre tem que continuar, se você não coloca nem precisa esquentar com isso… é a impressão que eu tenho.”

Como já mencionei eu não induzi a dormência porque aqui ela ocorreu naturalmente, mas se fosse fazer, considerando as pesquisas que fiz, certamente usaria esse mesmo método que foi utilizado pela Fátima. De qualquer forma eu já pesquisei bastante sobre isso e há controvérsias. Uns dizem que precisa da dormência induzida e outros dizem que não é necessário.

Apesar de não ter passado pela experiência, acho muito interessante a observação que a Fátima fez sobre o fato de acostumarmos a planta a passar ou não pela dormência naturalmente. Concordo com ela e acredito que ao optar por fazer esse processo ele deve ser repetido todos os anos para que a planta possa se manter saudável.

9 respostas para “Dionaea Muscipula”

  1. Olá, muito obrigada pelo seu post, estou com a minha segunda Dioneia, infelizmente a primeira eu não sabia cuidar e morreu, mas esta segunda esta linda.. a haste com flores já nasceu agora na primavera e eu já estou polinizando. Estou animada para ter sementes e plantar.

  2. Excelente post! Já tive várias dionaeas durante anos e anos, e confirmo que são muito fáceis de cuidar. Musgo esfagno (sphagnum, até pode ser 100% sem mais nada), montanhas de água (eu usava destilada) e sol, muito sol, mesmo com temperaturas muito elevadas. Este post deu-me vontade de ter outra vez!!! 🙂

    1. Sim Sara, são fáceis mesmo. Elas têm suas exigências, mas tendo o substrato correto basicamente não precisa fazer nada além de completar água. Mais fácil que isso não fica, rs. Se comprar outra mande foto pra mim. É bom ter um acervo dos leitores para futuros posts. : )
      Abraços Floridos

  3. Ameiiiiii esse post! A cada post que vc faz eu me interesso mais em cultivar e colecionar wssas preciosidades! A minha dioneia morreu… acho que demorei muito a trocar o substrato e nao usava agua descansada… mesmo a agua filtrada tem que descansar? E outra, era uma época que pegava muoto sol aqui, nao estava tendo lugar de deixar e ela ficou estiolada e feia tambem. Mas na casa nova quero fazer um cantinho so pra elas… quem sabe uma estufinha, um terrario..
    Ja pensou em fazer um terrario bem lindos em potes de vidro tampado? Sera que elas ficam bem assim? Ah e vc sabe que sou apaixonada nas pinguiquilas… bjos!

    1. Camila já vi gente dizendo que cultiva sem usar água descansada, mas prefiro pecar por excesso de zelo e uso nas minhas. Já tentei um terrário uma vez e não deu certo, mas era super pequeno e eu super sem tempo de dar atenção pra ele, rs. Mas vi muitos terrários com carnívoras. Quando eu tiver mais tempo quero tentar fazer o terrário novamente.
      Beijos

  4. Parabéns Bruna! …. Tudo bem detalhado e explicado, fica fácil cultivar esta planta curiosa seguindo suas dicas! …Atualmente tenho duas …. a primeira em certo momento sofreu alguma deformidade e cheguei a imaginar que poderia ser alguma espécie nova pois, surgiu uma espécie de chuchu no centro da planta … Contudo, atualmente esta estrutura esta secando e parece que tirou força da planta. Hoje, imagino que foi alguma haste floral que ficou presa…. desenvolveu-se dentro de uma cápsula mas não exteriorizou! …. Tive esperança que talvez fosse uma especie nova …. uma mistura de nephentes com dioneia … mas não foi! …seja como for, achei interessante pois, é assim mesmo que surgem novas especies …. de repente acontece uma anomalia ….ela da certo e pronto …. uma especie nova nascendo. … Parabéns Bruna! … Belo Post!!!!


    1. Obrigada! : ) Carnívoras são apaixonantes! Depois que começa vai querendo mais rs

    2. legal seu blog bem explicado… eu queria saber se vc tem uma foto da sua planta da dioneia quando começou a germinar os primeiros dias, e o que é água descansada? no período da dormência eu n colocarei na geladeira acho muito frio rsrs

      1. Obrigada Max : ). Não tenho fotos dela tão nova assim porque é tão pequena que nem dá pra fotografar direito, rs, só tenho mesmo a do post. Durante a dormência eu perdi as mudinhas, hoje tenho uma adulta e está em período de dormência agora, horrorosa, dá dó rs, mas não coloco na geladeira também, deixo ela passar por essa fase naturalmente.
        Abraços Floridos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *