Vasinhos Hidropônicos (Autoirrigáveis)
Folhagens Pouco Espaço Boas Soluções

Vasinhos Hidropônicos (Autoirrigáveis)

Sempre via aqueles vasinhos fofos hidropônicos com mudinhas, mas nunca comprei. Achava-os pequenos demais para cultivar qualquer coisa, e são mesmo, então não fazia sentido algum comprar e descartar o vasinho depois, que era justamente o que encarecia, e muito, o valor da planta. Mas, como as coisas mudam, adquiri dois e vou explicar o porquê.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete

Recentemente eu estava atrás de mudas de hypoestes e queria algumas cores diferentes e contrastantes, mas só achava das mais comuns. Porém achei duas mudas lindas do jeito que eu queria justamente nesses vasinhos fofos.

Naquele dia eu já pensei de imediato em usar os vasinhos como meus novos potes de germinação, versão fashion, afinal eles são autoirrigáveis e por isso têm boa manutenção da umidade, importantíssima na germinação. Nesse caso, além de ter minhas hypoestes, ia também trocar os potinhos de plástico nada atraentes por vasinhos com areia colorida no fundo.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete

Comprar esses vasinhos acabou sendo um bom negócio e vou falar sobre o replante das hypoestes e a reutilização dos vasinhos hidropônicos, que tem lá sua utilidade para os jardineiros de apartamento.

Como Funcionam

Apesar da própria etiqueta falar em hidroponia, considero autoirrigável e não hidropônico. Hidropônico seria se não houvesse substrato, apenas o contato das raízes com a água, mas não é o caso.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
O vasinho e seu sistema autoirrigável

Esses vasinhos tem o mesmo funcionamento de outros que já mostrei aqui no blog, quando apresentei vários modelos de vasos anti-mosquito, também autoirrigáveis. Nesses casos há um contato entre o substrato e o recipiente que armazena a água, para que a umidade seja absorvida naturalmente sem necessidade de regas. Como se pode observar os vasinhos hidropônicos funcionam exatamente assim. São duas partes encaixadas, sendo que na base ficam a areia colorida e a água e na parte de cima fica o recipiente que funciona como vaso propriamente dito, onde é colocado o substrato.

Cultivo em Miniatura

Como já mencionei esses são vasinhos autoirrigáveis e não hidropônicos, mas, considerando o tamanho deles, que não permite cultivar quase nada por muito tempo, isso nem é algo ruim. Sendo miniaturas autoirrigáveis eles servem como opção para inícios de estaquia e germinação de sementes e ainda dá para personalizar o fundo, usando outra cor ou tipo de areia para combinar com o ambiente.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
Eles já vem com areia colorida no fundo
Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
Comprei dois vasinhos com areias de cores diferentes, mas troquei ambas por areia de rio, que é mais neutra

Ao invés de usar aquela sementeira verde super tradicional é possível usar esses vasinhos, que, convenhamos, tem um aspecto melhor para ficarem expostos, dependendo de onde serão colocados.

Outro uso possível para eles é como início de estaquias. Por manterem a umidade mais constante funcionam bem, mas, assim como no caso de serem usados para germinar sementes, as mudas não podem ser mantidas neles por muito tempo devido ao espaço extremamente limitado, afinal essas criaturinhas têm apenas 5,5 cm de altura e 7 cm de diâmetro.

Para o plantio, seja de estacas ou de sementes, recomendo uma mistura de uma parte de húmus de minhoca, uma parte de substrato pronto de boa qualidade e uma parte de casca de pinus moída ou areia de rio média, dessa forma o substrato fica leve e rico em matéria orgânica.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
Vasinho preenchido com a mistura de substrato

A questão é que esses vasinhos são caros e não há muito propósito em comprá-los somente com esses fins, mas sim comprar para ter a planta que vem neles, cultivar até certo ponto e depois que replantar a muda reaproveitá-los de alguma forma.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete

No meu caso eu queria loucamente as hypoestes e achei justamente nesses vasinhos. Como eu deixo minhas sementes germinando em potes de plástico no escritório e já estava reformulando o ambiente pensando em opções mais decorativas para minhas sementeiras, esses vasinhos vieram na hora certa.

Replante das Mudas de Hypoestes

Eu queria hypoestes bem lindas e especialmente dois tipos com cores contrastantes. Além da beleza dessa planta, que eu adoro, eu queria especialmente no meu escritório em um vaso branco, dando destaque à folhagem.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
As mudas já plantadas juntas e dentro do cachepô branco de cerâmica

No escritório elas ficam numa janela que tem muita claridade com sol da tarde filtrado por algumas horas.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
As lindas cores da hypoestes

Não vou entrar em detalhes sobre o cultivo porque já tem um post sobre as hypoestes (confete) aqui no blog (que, aliás, preciso atualizar), mas sugiro a leitura para saber como cuidar dessa planta linda, colorida e de fácil cultivo.

Vasos Hidropônicos - Autoirrigáveis - Hypoestes - Confete
O contraste das mudas é lindo

Antes de retirar as mudas dos vasinhos originais eu preparei uma mistura de 2 partes de substrato pronto de boa qualidade, 2 partes de húmus de minhoca, 1 parte de pinus moída (pode ser trocada por areia de rio média) e uma parte de esterco bovino curtido. Preenchi um vaso do tamanho tradicional dos de violeta com a mistura até um pouco acima da metade e acomodei os torrões. Como o espaço do vasinho hidropônico é muito pequeno os torrões são minúsculos. Em seguida completei com mais substrato e por último fiz uma camada de uns 2 dedos, cobrindo a mistura, já que o vaso ficará em ambiente interno e o esterco exposto atrai insetos, especialmente drosófilas.

Retirar os torrões dos vasinhos autoirrigáveis é bem simples e eles costumam sair com bastante facilidade. A recomendação mais importante é certificar-se de que estão úmidos antes de serem retirados e caso não estejam fazer uma rega para que fiquem. É muito importante tirar os torrões com todo cuidado, preservando-os completamente. Pode-se retirar os torrões usando uma mini pá que vem naqueles kits de ferramentas de jardinagem em miniatura ou uma colher de chá ou sobremesa, porque de sopa já não cabe no vasinho. Recomendo a leitura e o vídeo do post Como Plantar Mudas para ver como plantar mudinhas novas ao fazer replantes em detalhes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *